Um natal diferente - Dois anos depois - Capítulo 10




UM NATAL DIFERENTE - DOIS ANOS DEPOIS 
   

CAPÍTULO 10 


Trilha sonora: Heal - Tom Odell



14 dias para o natal... 


Carla estava desesperada, a filha não parava de vomitar, e reclamar de fortes dores. Ligou para Tiago, mas ele não a atendia, provavelmente estava ocupado, mas assim que visse retornaria, então rapidamente colocou a filha no carro e foi para o hospital. Ao chegar lá as enfermeiras levaram Lara para um quarto.

 - Precisamos que a senhora fique aqui fora aguardando, o médico irá ver o que a sua filha tem.

 - Mas eu preciso ficar com ela.

 - Por favor senhora, são as regras. Logo, logo, o médico virá conversar com você e poderá ver a sua filha.

 - Ok.

Carla ficou esperando alguns minutos, o que parecia ser uma eternidade, ultimamente a filha estava passando mal direto, mas nenhuma das vezes precisou leva-la para o hospital. Carla não estava nada bem, depois da decepção com Pedro, não suportava mais passar por tristezas, precisava buscar forças de onde não tinha, para dar ânimo a filha.




4 dias atrás...

 - Carla, não é o que você está pensando, me deixa te explicar!

 - Explicar o quê? Que você não mudou nada? Que não presta? Que é um cafajeste? Como eu pude acreditar em você? Sou muito imbecil mesmo!

 - Meu amor...

Ele foi até ela a abraçando

 - Não encosta em mim, como você pôde? Você me trai com essa daí, e tem a ousadia de me tocar? E me chamar de meu amor? Me poupe, deixa de ser falso!

 - Por favor, abaixa o tom, as pessoas estão olhando para cá.

 - Eu não estou nem aí que estão olhando, deixa eles olharem a sua pouca vergonha, talvez a sua cara queime ao menos uma vez na vida.

 - Amor, por favor não aja assim, vamos conversar.

 - Eu não quero conversa.

Ela saiu da beira dele.

 - Por favor.

Ele a olhou suplicando por uma única conversa.

 - Será que você poderia nos dar licença?

Carla falou para Joana, que saiu da sala sem falar nada.

 - Primeiramente, eu quero que você a demita.

 - Mas amor...

 - Não tem mais e nem menos. Eu quero que você a demita, e quero que faça isso hoje, não quero vê-la mais nesse escritório, me entendeu?

 - Sim.

 - Segundo, no momento vamos fingir que somos um casal, pelo bem da nossa filha, e só por isso, mas quando ela estiver melhor, eu não hesitarei em providenciar o nosso divórcio, eu te dei uma chance e você desperdiçou, tá achando o quê? Que sou uma palhaça? Que sou tão idiota assim para continuar aturando as suas mentiras e traições? Vamos continuar fingindo que somos um casal só pela Lara, a doença voltou, e com mais força, e ela não precisa de mais uma decepção, aliás foi sobre isso que vim conversar com você. E tem mais uma coisa, eu não quero mais nada com você, absolutamente nada, então não adianta nem vim com as suas desculpas, porque eu não vou acreditar, não mais. Estamos entendidos?

 - Sim.

 - Ok, é só isso. A Lara não sabe que a doença agravou, então vamos apenas apoiá-la e dar forças.

 - Como você soube que a doença dela se agravou?

 - O médico me ligou e pediu que eu fosse até o consultório para conversamos. Então depois dele analisar os últimos exames que ela fez foi comprovado que a doença está se agravando.

 - E o que vamos fazer?

 - Continuar com os tratamentos e orações. No momento é a única coisa que podemos fazer. Além de apoiá-la e amá-la. Tudo que ela precisa é da nossa atenção, do nosso amor, ela precisa de nós. E não dessa bagunça que você anda fazendo, nem ao menos pensar na sua filha você foi capaz de pensar.

 - Mas Carla...

 - Não me venha com as suas desculpas, eu não acredito mais nelas. E por favor, não esqueça de despedir a sua amante, porque se você não fizer isso ainda hoje, eu me encaminharei de fazer. Tchau.

 - Tchau.

Carla saiu do escritório muito arrasada, horas atrás ficou sabendo que a doença da filha se agravou e agora que o marido continuava traindo-a.


Hoje.

 - Carla, você pode ir visitar a sua filha, mas antes preciso te dizer que ela ficará internada, o estado de saúde dela e crítico.

O doutor Gabriel disse a Carla, ela não aguentou a notícia e desatou a chorar, não suportava ver a filha assim. Respirou fundo, enxugou as lágrimas e foi até o quarto da filha.

 - Minha pequena.

Abraçou a filha em meio a algumas lágrimas.

 - Mamãe, eu estou morrendo né?







Trilha Sonora:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi, espero que tenha gostado de visitar o blog, não deixe de comentar a sua experiência aqui.
Beijos, e volte mais vezes, será sempre bem vindo (a).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Jayhana De Nardi 2015-2019 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo